sábado, 9 de setembro de 2017

[SECRET HOARD] Guia de viagens Donkey Kong: Mekanos

Sejam bem-vindos a mais uma edição do quadro Secret Hoard, seu guia de viagens pelas últimas semanas rumo às mais diversas e perigosas paisagens da franquia Donkey Kong. Nosso agente de viagens DK Vine, autor das informações, hoje nos levará por um passeio pelas antigas instalações industriais da ilha Mekanos. Preparem suas máscaras de gás e vamos lá.



Outrora uma ilha cheia de vida e muita vegetação, Mekanos foi a primeira vítima dos Kremlings, antes mesmo do que a igualmente poluente Kremkroc Industries INC.. Foi aqui que K. Rool e sua trupe instalaram suas primeiras bases, ignorando completamente o meio ambiente da área. Um dos mais ferrenhos opositores das atividades industriais da ilha é Bramble Bear, um ambientalista que perdeu seu exemplar da raríssima Flupperius Petallus Pongus por conta da poluição: sua cabana, próxima da ilha, recebia quase que todas as emissões de gases das fábricas.

As fábricas foram construídas e operadas pela Krem Co., e somente quem as projetou, ou quem não tem juízo nenhum, se aventurou por elas: imensos latões de ferro derretido, plataformas com pouca sustentação e até mesmo um kremling munido de uma bazuca, apropriadamente chamado Bazuka, são as principais armadilhas das construções. Grandes tubulações se fazem presentes, conectando as fábricas e servindo para o desenvovimento de gases capazes de afetar as moléculas de várias maneiras: acredita-se que as nuvens que retardam o movimento e aquelas que invertem o ritmo, as quais K. Rool usou contra Diddy e Dixie em Donkey Kong Country 2, tenham sido desenvolvidas aqui.

E por falar em Diddy, ele e Donkey Kong foram usados por K. Rool para alimentar o cérebro mecânico de K.A.O.S., um grande robô de segurança dos Kremlings. Sua derrota parcial, em 1996, o levou para o ponto central do comando Kremling em Northern Kremisphere, e de quebra, encerrou o ciclo de poluição em Mekanos, embora o meio ambiente da ilha tenha sido drasticamente afetado: a única porção de floresta foi quase totalmente dizimada. Aqueles que passaram por aqui e sobreviveram dizem que uma imensa serra cortava as árvores de ponta a ponta, acabando com o habitat natural de várias espécies. No entanto, a vegetação começou a dar sinais de recuperação em 2005, quando registros apontaram o renascimento de exemplares da Flupperius Petallus Pongus no solo da ilha. Bramble agradece até hoje.

E por falar nos Brothers Bear, um deles tem residência em Mekanos desde antes da construção das fábricas. Veterano da Guerra da Kremeia (trocadilho com a Guerra da Crimeia), o Brigadeiro Bazooka acompanhou todo o processo de transformação da ilha com um único desejo: disparar seu canhão, a Big Bessie, mais uma vez, porém, ele não tem munição para isso. Dizem que quem lhe trouxer uma bola de canhão poderá ser disparado pelo artefato rumo a uma estranha caverna suspensa por um guindaste.

Comentários
0 Comentários

0 comentários: