quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

[Lendas dos Games] Harvest Moon

É quinta-feira, o mundo não acabou, mas as bizarrices continuam. Hoje é dia de se surpreender com mais uma história do quadro Lendas dos Games. As lendas são copiadas na íntegra do blog Creepypasta Brasil.
A história de hoje é do jogo Harvest Moon, do Super Nintendo. Boa leitura.



Vocês se lembram daquele jogo “Harvest Moon” (Joguinho de simulação de fazenda, onde você planta, cuida dos animais, e vive como um fazendeiro), no SNES?
Sempre foi um dos meus favoritos, mas quando eu me mudei da casa dos meus pais para um dormitório estudantil, minha mãe vendeu o jogo em uma venda de garagem sem me avisar.
Depois que me formei e consegui uma casa própria, eu decidi tirar a poeira do meu SNES e procurei por uma cópia do jogo. Fui a um “Farmer’s Market” (N/T: Uma espécie de feira, geralmente montada por fazendeiros, que vende de tudo, especialmente alimentos. Mas também vendem-se itens usados) que eu já tinha visitado algumas vezes antes. Fui até à loja de vídeo deles, onde fitas de jogos antigos e VHS eram vendidos.
Buscando na sessão de jogos, eu encontrei uma cópia de “Harvest Moon” para SNES. O jogo estava em perfeitas condições, eu mal podia acreditar. Geralmente o jogo custava entre 60 ou 70 dólares online, mas na loja custou 15. Comprei e voltei para casa.
Quando cheguei em casa, coloquei o jogo no meu SNES e o liguei. Não funcionou de primeira, apareceu apenas uma tela preta. Isso é normal consoles velhos, especialmente os que funcionam com cartuchos. Tirei o cartucho, assoprei, e o coloquei de volta. Liguei o console e fui recebido pelo familiar logo “Natsume”.
Havia dois save files, um vazio e o outro nomeado “JACK”. Comecei um jogo novo, ignorando “Jack”. Joguei por algumas horas, plantando nos campos, cuidando dos animais, falando com os moradores e vendando e comprando como sempre se faz no jogo. Depois disso, fui dormir para trabalhar no outro dia. Não joguei por uns dias, até ter um dia livre.
No sábado, eu liguei o SNES para jogar e fui logo para a tela de “load file”, lá estava o meu arquivo e o “JACK”. Curioso, carreguei “JACK” para ver que tipo de jogo o dono anterior estava jogando. Assim que apertei “carregar”, a lâmpada da minha luminária queimou. Não liguei para isso e continuei a jogar.
O arquivo carregou, e quando mostrou a casa do fazendeiro, onde você sempre começa, algo estava diferente. Como vocês devem saber, você pode se casar e ter um filho em “Harvest Moon”. A esposa do personagem, Ann, estava parada em frente a um berço vazio, uma das “necessidades” de se ter um filho no jogo. Ela não estava parada do mesmo modo de quando você começa o dia, e pensei que fosse algum tipo de erro. Andei até ela e apertei o botão de “falar”, mas a resposta que recebi foi “...”.
Agora eu tinha certeza de que era um erro, mas tudo mudou assim que eu saí da casa. Do lado de fora, o cachorro, que sempre estava por lá também, havia sumido. A fazenda estava cheia de lixo, e as plantações estavam todas mortas, mesmo sendo primavera. A casa e os prédios da fazenda pareciam em ruínas, quebrados, e o local aonde ficava a fonte de água estava cheia de algo marrom, que parecia ser lama. Eu não tenho certeza, uma vez que o jogo tem gráficos primitivos.
Saíndo da fazenda para investigar mais, eu fui até a encruzilhada onde o vendedor geralmente fica com seu caminhão. Mas assim que cruzei a estrada, eu vi o caminhão abandonado no meio dela, parecia que não era usado havia anos. Agora eu pensava que era algum tipo de hack, ou um erro que eu nunca tinha visto antes.
Quando cheguei na cidade principal do jogo, eu não estava surpreso em encontrar todos os prédios do mesmo modo que as casas da fazenda -- em ruínas e abandonados.
Não havia moradores na cidade, mas de repente uma caixa de texto apareceu na parte de baixo da tela com as palavras “VÁ PARA A IGREJA”. Eu sabia exatamente aonde a igreja ficava e fui até lá. Enquanto caminhava, encontrei o padre (ou ministro, shaman, ou seja lá quem ele deve ser) parado do lado de fora.
Cheguei perto dele e apertei “A”, ele disse “Jack, por que você demorou tanto? Venha, venha, precisamos começar.” Então o jogo seguiu em uma coisa tipo filme, o fazendeiro seguindo o padre para dentro da igreja. Lá dentro, o que eu vi era simplesmente repugnante. A cruz estava virada de cabeça para baixo, um tanto quanto clichê, creio eu. As paredes estavam pintadas em um tom escuro, preto-acinzentado, e havia velas pretas montadas em forma de pentagrama em volta do bonequinho de bebê que pertence ao berço da fazenda.
Os bancos estavam ocupados pelos moradores, que pareciam cansados e com os cabelos cinzas, mas novamente os gráficos me deixaram sem certeza.
“Coactum atrum”, o padre disse, pairando sobre o bebê, continuando: “Voco tu ego”.
Então o jogo começou a dar problemas horríveis. Os auto-falentes, que até então não haviam produzido um ruído sequer, apenas os efeitos sonoros, lançaram um som distorcido e a tela ficou preta, mas não por muito tempo. O que eu vi logo em seguida pareciam cenas retiradas de algum mangá. Elas eram pixelizadas, bem mal, claro, mas eu podia ver o que estava acontecendo. A primeira imagem representava o padre segurando uma faca sobre o peito do bebê, os painéis seguintes mostravam-o fazendo o sinal da cruz invertido. Então, como um slideshow, as imagens mudaram, continuando o show. Agora eu sabia que era um hack.
Nas próximas figuras, tentáculos rasgaram o peito do bebê, e se espalharam por toda a igreja e a cidade nas imagens seguintes. Eu estava fascinado que alguém tivera tempo e esforço para colocar tudo isso dentro de um cartucho. Mas o que aconteceu depois me fez mudar de idéia, e me fez tremer. Um retrato pixelizado da minha namorada apareceu, e o slideshow moveu-se rapidamente, como um livro sendo folheado. Mostrava sua barriga crescendo em gravidez. O olhar em seu rosto me encarava, sem expressão.
Quase pulei para fora das calças quando ouvi meu celular tocar o mais alto que podia (Pelo menos parecia estar muito alto naquele momento). Levantei e fui até a cozinha atendê-lo. Era minha namorada, ela estava estática, dizendo que estava grávida! Olhei para a TV, mas a tela estava apenas fora do ar.
Nove meses depois, ela deu à luz a um bebê natimorto.



Bem, estamos no fim do ano. Essa, provavelmente, é a última postagem do blog em 2012. Então, ficam aqui os meus votos de um Feliz Ano Novo para todos os leitores, e os agradeço muito por mais um ano de vida do blog. E que ano: em 2012 registramos o maior índice de visitas, várias vezes seguidas. Foi o nosso melhor período. Isso só nos motiva a querer continuar. Obrigado a todos, e até 2013!

Comentários
1 Comentários

1 comentários:

Diddy Kong disse...

Feliz Ano Novo para vc também Raphael !!!Que o blog continue crescendo mais e mais a cada ano que passa !!!Achei o final da lenda um pouco forçado,mas bem assustador !!!